Arquivo mensal: setembro 2008

O Amor de um Cidadão

Padrão

Aquele dia acordei sentindo-me um pouco estranho como se a responsabilidade não tirasse folga nem em um dia ensolarado se sábado. Logo pela

manhã meu telefone já toca e cobranças e mais cobranças teimam em se desenrolar em uma longa conversa de assuntos de trabalho. Senti que

deveria amparar aquela pessoa desesperada que ao telefone me pedia ajudar com aquele complexo sistema que se negava a funcionar.

Foi então que, esquecendo da noite mal dormida, me arrumei e sai em destino da empresa a qual eu trabalhava, já pensando no tardar da hora e em

meu compromisso para cantar a música da cidadania.
Ao chegar na empresa, tentei fazer funcionar o sistema e ele se recusava a dar sinal de vida. Sopas de letrinhas, jorravam do monitor, a cobrança,

ansiedade e pressa consumiam meu intelecto e paciência. Fiz alguns pequenos ajustes no processos da integração, mexi ali, ajustei aqui e pensei

que minha missão havia se cumprido.

Quando, na linguagem bem “informatiquez”, “startei” o servidor e subi a aplicação. Em um rápido momento, minha canção desafinada estava sem

esperaças, pois mais uma vez aquela tela preta me sinalizava que ainda havia muito a ser feito. Já quase inconciente, e com um aperto no coração,

joguei a toalha: “Deixemos para segunda feira, pois tenho um encontro comigo mesmo”.
Sem meias palavras, e em algumas horas já estava no carro, sendo conduzido ao grande e único momento, esperado por dias, com grande

anciendade.

Olhava para o relógio me lembrava que teria que pagar o tal do “mico”, já meio desanimado e sem paciência com macacos pequenos,

cheguei ao encontro marcado!

Sai do carro correndo, toquei a campanhia e subi um jogo de escadas impaciente e mais uma vez esqueci-me do que estava fazendo ali, com a

cabeça nas possiveis soluções para meus códigos e processo. De maneira fria adentrei ao recinto e logo me deparei com uma placa: “Quem

chegar atrasado entre de costas e se prepare para o mico”. Nem quis comentar tamanha baboseira, pois se eles soubessem como estava meu dia,

nunca colocariam essa placa para me enfurecer ainda mais.
Mas cumprindo o tramite e fazendo o ritual, aceitei me expor e fiz o que fora solicitado.

Sentei em meu lugar com a cabeça longe de tudo e de todos…e conforme o tempo ia passando fui me tranquilizando e recebendo o amor daquelas

pessoas esperançosas.
Quando em um momento, foi proposto que nos abraçassemos em duplas e assim foi feito, sentindo o pulsar do coração e o caloroso afeto dos

cidadãos que ali estavam.

Comecei a rever conceitos, valores e o refletir sobre o amor de Deus em minha vida e na vida das pessoas que a luz em nós deve iluminar. Meu

coração já não era o mesmo…ele estava sorrindo, feliz, e amando.
E após esse exercicio sugerido pelo Patch Adams em sua última visita ao Brasil, fomos conduzido ao inesperado. Olhando dentro dos olhos de

uma pessoa, acariciando seu rosto, dizer palavras de vida e de amor, ali tinhamos um banquete da vida!! E em um momento expressando o amor em palavras.

– “Eu Te amo”, eu disse com profundo receio
– “Eu Te amo”, recebi com profunda alegria

Haviam naquele momento lágrimas, sorrisos, amor, dedicação, carinhos…uma mistura de ingredientes que geravam a vida!

Vi atraves daqueles olhos lacrimejando, Jesus, o dono da Esperança. Vi perspectivas de dias melhores e pude sentir o amor de Deus!

Refletindo sobre aquele momento, imagino que Deus nos abraça, nos acaricia, segura nosso rosto e nos diz em tom de sussuros: “Eu Te Amo”.

Derepente, senti uma enorme paz e sabia que ali era meu lugar…sabia que a vida é muito mais que tudo o que poderia imaginar….sabia que naquele dia Deus estava nos ensinando…

E ser um cidadão vai muito além do que imaginamos.

Jesus em seu pior estado de vida, pregado na cruz, com cuspe, lama, sangue, dor, feridas….ainda assim, um ladrão ao seu lado conseguiu enchergar além de tudo isso e ver seu coração.

Ser voluntário é enchergar por tras da lama, da sujeira, da dor e ver um coração, um ser humano cheio de esperanças, cheio de amor….ser um voluntario é enchergar a vida!

“Nem olhos virão, Nem ouvidos ouvirão. Nm jamais penetrou em coração humano. O que Deus tem preparado para aqueles que o amam” (I Corintios 2:9)

Renan Espíndola de Oliveira

http://www.cantocidadao.org.br

Anúncios